segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Sobre o amar e o ouvir

Amamos não a pessoa que fala bonito, mas a pessoa que escuta bonito… A arte de amar e a arte de ouvir estão intimamente ligadas. Não é possível amar uma pessoa que não sabe ouvir. Os falantes que julgam que por sua fala bonita serão amados são uns tolos. Estão condenados a solidão. Quem só fala e não sabe ouvir é um chato… O ato de falar é um ato masculino. Fala é falus: algo que sai, se alonga e procura um orifício onde entrar, o ouvido… Já o ato de ouvir é feminino: o ouvido é um vazio que se permite ser penetrado. Não me entenda mal. Não disse que fala é coisa de homem e ouvir é coisa de mulher. Todos nós somos masculinos e femininos ao mesmo tempo. Xerazade, quando contava as estórias das 1001 noites para o sultão, estava carinhosamente penetrando os vazios femininos do machão. E foi dessa escuta feminina do sultão que surgiu o amor. Não há amor que resista ao falatório.

- Rubem Alves

3 comentários:

Jackson disse...

Muito bom! valeu Rapha.

Dan disse...

uau

carloshleonel disse...

Que estranho fala ter a mesma origem de falus. Sempre ouvi que o centro da fala no cérebro feminino deveria ser maior que nos homens por causa de como elas falam muito mais que nós. Mas eu soube que elas têm um vocabulário mais extenso que o nosso, ainda na infância. Não que isso permaneça assim,né? =P

Mas muito bom o texto! =D