quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Obediência

E se todos fôssemos robozinhos prontos para cumprir a vontade de um "Ser" atrás de um controle remoto? Talvez, dessa forma a nossa vida não seria tão complicada, cheia de angústias e decepções. A nossa "falta de escolha" poderia muito bem acabar com as nossas dúvidas sobre qual dos milhares de caminhos seguir, afinal... alguém melhor do que nós estaria no controle.
Outro dia li um trecho do Philip Yancey que dizia: "Embora o poder possa forçar a obediência, apenas o amor pode provocar a reação do amor". É estranho pensar que muitas vezes sou levado a obedecer pelo medo de ser punido. Penso, porém, que, talvez, isso faça parte da natureza humana. Vejo que ainda que Deus saiba que temos tudo para desobedece-lo, ainda assim Ele escolhe nos amar, dando-nos a oportunidade da escolha. O amor é aquela coisa impossível de ser forçada. O amor é natural. Sei que Deus sabe disso muito bem, senão Ele poderia nos impor a amá-lo e pronto, todos os problemas do mundo estariam resolvidos. Mas Deus é maior, assim como o amor. Ele nos concede, pela Graça, a possibilidade de escolhermos o caminho do bem e do mal.
Quando penso em obediência, penso em Deuteronômio 28 e as bençãos decorrentes da obediência. Os israelitas tinham por escrito tudo aquilo que deveriam e não-deveriam fazer, podendo levá-los às bençãos ou às maldições. E, no entanto, o povo escolhido perdeu-se no deserto deixando de lado a terra do leite e do mel. E por quê? Às vezes, penso que seja pelo alto padrão de santificação que deveriam ter na presença do Senhor. Ou talvez, porque não amavam ao Senhor de todo o coração, obedeciam pelo medo. Somos pecadores, sujos e maltrapilhos buscando entrar na presença de um Deus SANTO. Ainda que nos esforcemos para amá-lo, jamais mereceríamos a benção.
Quando reflito sobre obediência, penso, com meus parafusos, que o maior desejo do meu coração é ser, sim, como um robozinho que faz tudo aquilo que o Criador comandar, mas com amor.

"A fé começa com Deus falando e se materializa quando respondemos." [Erwin McManus]

7 comentários:

Rita de Cássia disse...

A obediência não deveria passar pelo medo de ser punido e sim pelo entendimento da lei, de que as coisas têm um limite, no desenrolar de cada situação.
Ainda bem que temos o controle de nossas vidas em nossas mãos, senão seria um sobrecarrego para as mãos de Deus.Esta vida é um vale de alegrias e angústias mesmo, na qual como equilibristas, tentamos nos manter de pé.
Enfim, a obediência é o entedimento da lei da vida.

Nine disse...

Realmente temos esse desejo de deixar o Pai nos guiar, como robôs, e sim, por amor a Ele, pra não O decepcionar novamente, como sempre acontece quando nos mesmos estamos no controle.
Adorei o post, também vou recomendar.
Xero

Tereza Jardim disse...

Ok, obediência a que? A algum livro sagrado? A livros escritos por espíritos? Ao Corão?

A validade da obediência, para mim, fica muito dependente desses conceitos. Fui educada espírita, hoje me considero apenas cristã.

Eu sigo as leis morais que me foram ensinadas, mas não por medo da punição de um Deus colérico, nem por vergonha de um Deus onipresente.

Talvez a melhor explicação esteja na lei de Causa e Efeito. Ou melhor ainda, no fato de ter aprendido que devemos respeitar os nossos limites, respeitar as individualidades, as diferenças.

Eu não deixo de roubar por medo de ser presa. Deixo de roubar simplesmente porque considero errado tomar posse de algo que não me foi dado nem consquistado.

Eu não deixo de matar alguém por medo da cadeia ou do inferno, mas por saber que todos tem o direito de viver suas vidas até quando nosso organismo permitir, se quiser pode chamar de vontade de Deus também.

Se quiser, pode dizer que eu só obedeço a minha mente. O que importa, pra mim, é que tenho muita fé em Deus, sei que Ele nos ama a todos, mas sei que temos responsabilidades pelos nossos atos, e quando estamos realmente arrependidos, nós mesmo buscamos a reparação de nossos erros.

É assim que vejo a misericórdia divina trabalhando em nossos corações, nos permitindo decidir o plantio, mas nos fazendo responsáveis pela colheita.

Akamine disse...

é isso aí, Tereza! :)

Uerlle Costa disse...

No fim das contas é bom saber que quando estamos entregues a obediência ao Pai,existe alguém que nos impõe limites e que não nos deixa ser guias de nossas próprias vidas a partir do momento em que desejamos ele como nosso guia.

Obedecer é prova de amor.

Muito legal o blog.Tô seguindo e já foi pra lista dos favoritos.Rs.

Abração.

Derso disse...

Obedecer é prova de amor. Muito bom seus blog velho! Abraços

Larissa Mignon disse...

Amei o post e os comentarios realmente o completaram :D