quinta-feira, 19 de março de 2009

Indigestão

Nesses dias de crise financeira e bizarrices, existem, ainda, coisas que me pertubam. Explico. Sentei-me à mesa para o meu habitual almoço, desta vez composto por arroz, feijão, carne de panela, purê de batata e uma saladinha de couve com cebola. Aqui em casa, geralmente, comemos à frente da televisão, aproveito para dar uma olhada nos jornais e coisas interessantes ou não que passam por aí. Tudo estava muito gostoso; a comida da minha avó, para quem já teve a oportunidade de vir aqui, é muito saborosa e preparada com muito carinho. Entretanto, hoje foi diferente, não pela comida. Um outro motivo. Ao prestar um pouco mais de atenção ao "Jornal Hoje" que acabava de se iniciar notei algumas notícias que de uma forma incômoda me chamaram a atenção. Logo de início, as duas primeiras manchetes apresentadas foram sobre o monstro da Áustria, Josef Fritz, e o caso de uma mulher no interior de SP que torturava um bebê de 1 ano e dois meses e a mãe dele. Devido ao alto teor de violência e insensibilidade, um embrulho no estômago e uma profunda indignação tomaram conta do meu almoço. Pensei: como somos capazes de fazer coisas como essas? (Incluo-me nessa lista, pois sei que não estou isento de cometer barbaridades.) Ficou-me uma angústia; afinal, o que leva as pessoas cometerem crimes como os que temos visto nesses últimos tempos? Nota-se que no ano passado foram muitos casos "famosos" de barbárie; e não só isso, percebe-se, também, um crescimento quase que exponencial de filhos que matam pais, pais que matam filhos, estupros, assassinatos, roubos, chacinas, pessoas que simplesmente saem matando outras pessoas. E tudo isso por quê? Para quê?
Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? Não, de forma nenhuma; pois já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. A garganta deles é sepulcro aberto; com a língua, urdem engano, veneno de víbora está nos seus lábio, a boca, eles a têm cheia de maldição e de amargura; são os seus pés velozes para derramar sangue, nos seus caminhos, há destruição e miséria; desconheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos. Rm 3:9-18.
Indigestão ao pecado. Deus nos acuda. Resta-nos a Graça.

3 comentários:

Valci Pessoa disse...

Seu blog está ótimo, parabéns!
O homem se auto-destroi, será sempre assim, até o fim dos tempos.
Esse fim será o princípio de coisas boas que acredito eu, está próximo!
Beijos

Jacqueline Boriam disse...

ow...
com certeza...
nos ultimos dias, pais se voltarão cntra filhos,filhos contra pais e o amor de muitos esfriará..
..mas a graça de Deus nos basta!!!

;**

Issá!* disse...

E já se dizia que onde transbordar pecado, transbordará mais ainda graça. Certo?
cada dia mais horrível mesmo, mas se for pensar.. talvez porque grandes transformações venham acontecer né! O melhor está por vir ^^

;*