sábado, 14 de fevereiro de 2009

Uma doce presença

Entrei discretamente pela porta. O auditório estava cheio; a música era suave e me fazia lembrar de algo sentido a pouco. Ergui-me e avistei um lugar vago na lateral direita do salão. Caminhando no corredor de tapetes azuis em direção à cadeira prevista senti-me estranhamente bem. Ajustei-me na cadeira e surpreendentemente lágrimas escorriam pelo meu rosto. Uma sensação gostosa de aconchego, segurança e paz tomou o meu coração. Uma doce presença se movia naquele lugar. Era Papai.

Um comentário:

Jacqueline Boriam disse...

Única e doce Presença.Completa e Perfeita!!!O nosso "respirar"...